Hidrografia

O rio Cipó, que é tributário do rio das Velhas, pertence à bacia do rio São Francisco. Em virtude de seu bom índice de balneabilidade, de se encontrar na bacia do rio das Velhas e próximo à região metropolitana de Belo Horizonte, os arredores desse curso d’água vem se transformando no principal pólo de desenvolvimento do turismo no estado de Minas Gerais.

Em termos de volume de água o rio Cipó é o mais importante da região, ele dá nome a serra que lhe é paralela sendo que seu curso percorre aproximadamente 4 quilômetros de terras de uma unidade de conservação federal de proteção integral, o Parque Nacional da Serra do Cipó.

O rio Mascate, que juntamente com o Gavião são os cursos d’água formadores do rio Cipó, depois de sair da garganta do cânion das Bandeirinhas, e sendo navegável para pequenas embarcações, corta de maneira sinuosa baixadas com aproximadamente 10 quilômetros de extensão por 2 de largura.

Essas baixadas são conhecidas pelos moradores locais como “as areias”, e chamadas de “zareias” no linguajar nativo, visto que se trata de um solo beira-rio essencialmente arenoso. Como envolve terrenos freqüentemente inundáveis, no passado eles eram muito utilizados para a plantação de arroz, o que atraiu a freqüência de capivaras, que se multiplicaram e atualmente são vistas com muita facilidade.